Categorias
Bondora Mintos Peerberry Plataformas p2p

Como declarar mais valias das P2P no IRS

Como declarar os rendimentos da Bondora no IRS do ano 2020

Mais valias das P2P

De antemão, é certo e sabido que investir em plataformas P2P pode trazer-nos bastantes mais valias. Mas… as mais valias têm que ser declaradas. Felizmente, declarar rendimentos das P2P no IRS (as mais valias ) é bastante simples.

Como declarar Rendimentos das P2P no IRS

Recordo, o prazo de entrega da declaração de IRS começa a 1 de abril e prolonga-se até 30 de junho. Este tipo de rendimentos provenientes das P2P enquadra-se nos juros – rendimentos de capitais da Categoria E na declaração do IRS. Visto que os intermediários financeiros Bondora, Viainvest, Peerberry, Twino e Mintos não têm sede em território português, a declaração é feita no anexo J.

Ou seja, se estes rendimentos fossem obtidos em Portugal, então o anexo a preencher seria o E. Mas, como os rendimentos de capitais são obtidos no estrangeiro, o anexo a preencher é o anexo J – quadro 8A – rendimento de capitais categria E. (Juros sem retenção em Portugal). Todas as restantes colunas ficam em branco 🙂

Depois de estar no local correto, para o preenchimento do IRS, precisará apenas de preencher dois campos. Ou seja, o montante total que recebeu da plataforma (o seu lucro) e o país do intermediário financeiro. Para o ajudar, partilho abaixo o código dos países das P2P mais usadas por portugueses.

Código do País do intermediário financeiro 

PlataformaPaísCódigo do País
BondoraEstónia233
MintosLetónia428

No fim, não se esqueça que pode optar pelo englobamento da categoria E, ou não. Optando por não englobar, será tributado em 28% sobre os rendimentos declarados (taxa sobre os rendimentos estrangeiros).

Por Sónia Reis

Olá, o meu nome é Sónia e sou uma investidora portuguesa de 36 anos. Partilho os meus investimentos e conhecimentos para que qualquer pessoa sem conhecimentos financeiros possa também começar a investir.

4 comentários a “Como declarar mais valias das P2P no IRS”

Infelizmente não na aplicação das finanças não é possível verificar se o englobamento de rendimentos no estrangeiro é benéfico ou não.
O melhor é mesmo ter em atenção o seguinte:
Se não englobar, a taxa sobre os rendimentos no estrangeiro é de 28%
Se optar por englobar, a taxa sobre os rendimentos no estrangeiro, depende do valor colectável (somatório de todos os rendimentos nacionais e internacionais), ou seja:
Até 7 112€ –> 14,5%
De mais de 7 112€ até 10 732€ –> 23%
De mais de 10 732€ até 20 322€ –> 28,5%
De mais de 20 322€ até 25 075€ –> 35%
De mais de 25 075€ até 36 967€ –> 37%
De mais de 36 967€ até 80 882€ –> 48%
Superior a 80 882€ –> 48%

Por outras palavras, se o total de valor colectavel for inferior a 20322€, compensa englobar, caso contrário deixa de compensar a englobação.

Olá Hugo,
Agradeço o seu comentário tão útil.
Vou investigar e ajustar o último parágrafo do artigo, não vá causar dúvidas em quem já tem tantas ao preencher o IRS. 🙂
Obrigada e bons investimentos,

Olá, sabe se é possível declarar quando existir incumprimento ou debito (menos valias) da p2p no IRS? Ou só quando existem mais valias?

Olá Wagner. Deve declarar sempre, tanto as mais como as menos valias. Por vezes declarar menos valias até se torna vantajoso pois se tiver mais valias no ano seguinte (por exemplo), o rendimento a declarar será apenas a diferença de ambos. Não se esqueça de testar com e sem englobamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.